Quinta, 26 de Maio de 2022
26°

Alguma nebulosidade

Goiânia - GO

Tecnologia cibercriminosos

Você sabe onde "pisa" no mundo virtual?

Nova pesquisa global da McAfee mostra que crianças e adolescentes estão mais vulneráveis ​​do que nunca a ameaças móveis sofisticadas

25/02/2022 às 08h42 Atualizada em 25/02/2022 às 11h57
Por: Gideone Rosa Fonte: McAfee/GoiásPress
Compartilhe:
Mobile Report de 2022 da McAfee detalha as ameaças novas e tendências apresentadas por cibercriminosos para fraudar consumidores e como as criptomoedas estão oferecendo novas oportunidades para ataques a dispositivos móveis.
Mobile Report de 2022 da McAfee detalha as ameaças novas e tendências apresentadas por cibercriminosos para fraudar consumidores e como as criptomoedas estão oferecendo novas oportunidades para ataques a dispositivos móveis.

Com o comportamento do consumidor baseado em dispositivos mudando rapidamente, a McAfee apresentou sua Consumer Mindset Survey: Mobile Report e Consumer Mobile Threat Report antes do Mobile World Congress (Barcelona)

• A pesquisa de mentalidade do consumidor de 2022 da McAfee: relatório móvel revela que, à medida que os dispositivos móveis substituíram os PCs/laptops como dispositivo principal, existe um alto nível de confiança na segurança do smartphone entre crianças e adolescentes, mas está associado a um baixo nível de proteção, embora risco está em um nível mais alto.

• O Relatório de Ameaças ao Consumidor - Mobile Report  de 2022 da McAfee detalha as ameaças novas e tendências apresentadas por cibercriminosos para fraudar consumidores e como as criptomoedas estão oferecendo novas oportunidades para ataques a dispositivos móveis.

SAN JOSE, Califórnia, 24 de fevereiro - Hoje, a McAfee Corp. (NASDAQ: MCFE, “McAfee”), líder global em proteção online, divulgou sua Consumer Mindset Survey: Mobile Report and Consumer Mobile Threat Report antes do Mobile World Congress (MWC) Barcelona, ​​que juntos revelam o nível de desconexão que existe entre gerações sobre a segurança dos dispositivos móveis e a vulnerabilidade dos consumidores às ameaças nesses dispositivos.

“A proteção significativa é um direito pessoal dos consumidores, sejam eles famílias ou indivíduos conectados”, disse Gagan Singh, vice-presidente executivo, diretor de produto e receita da McAfee. “A linha comum que liga essas duas ofertas de pesquisa é que os consumidores valorizam a proteção de seus dados, privacidade e identidade. À medida que nosso uso de dispositivos móveis aumenta rapidamente, devemos lembrar que um dispositivo móvel é um dispositivo conectado, assim como um computador. A equipe de Labs Research de classe mundial da McAfee trabalha incansavelmente para identificar e proteger os consumidores de ameaças novas e emergentes que afetam todas as idades e dispositivos conectados em todo o mundo.”

Pesquisa de mentalidade do consumidor de 2022 da McAfee: Relatório Móvel

Neste relatório, a McAfee pesquisou pais e filhos sobre seus comportamentos móveis como parte de sua maior pesquisa sobre famílias conectadas de 2022 para descobrir como as crianças estão usando dispositivos móveis e onde seu comportamento real difere das suposições de seus pais, uma nova área de pesquisa no setor que inclui a perspectiva crucial das crianças. As principais conclusões da pesquisa mostram:

Embora os consumidores entendam que seus desktops e laptops precisam de proteção, a conscientização sobre a necessidade de proteção de dispositivos móveis não acompanhou o ritmo.

Globalmente, crianças e adolescentes têm maior confiança em dispositivos móveis. A maioria das crianças (59%) acha que um novo telefone é mais seguro do que um novo computador, enquanto os pais estão igualmente divididos (49%).

Os dispositivos móveis infantis são menos protegidos globalmente. Enquanto a maioria dos pais (56%) usa senhas para proteger dispositivos móveis, apenas 41% das crianças e adolescentes o fazem, criando riscos de segurança.

As crianças estão enfrentando riscos de adultos. Um em cada 10 pais relatou que as crianças sofreram um vazamento de informações financeiras e 15% das crianças relatam que foi feita uma tentativa de roubar sua conta online.

Pais que protegem sua prole (ou não): os pais demonstram maior foco e ação em torno da proteção de crianças pequenas e meninas adolescentes em seus dispositivos móveis, em comparação com meninos da mesma idade, levando a riscos ocultos para meninos, principalmente meninos mais jovens que relatam maiores instâncias de dano. Especificamente:

Nos EUA, 40% dos pais de meninos de 10 a 14 anos colocam software de controle parental móvel nos dispositivos de seus filhos, em comparação com 34% para meninas da mesma idade.

Meninos mais novos relatam mais cyberbullying e ameaças online do que meninas da mesma idade, um padrão que se manteve em todas as ameaças examinadas, como visto a seguir:

Nos EUA, 29% dos meninos de 10 a 14 anos relataram uma ameaça à sua conta em comparação com 16% das meninas da mesma idade.

Meninos de 10 a 14 anos nos EUA (28%), Austrália (26%), Índia (21%) e Reino Unido (19%) relataram cyberbullying nas taxas mais altas dos países pesquisados.

Meninas de 10 a 14 anos nos EUA (22%), Austrália (21%), Índia (20%) e Reino Unido (18%) relataram cyberbullying nas taxas mais altas dos países pesquisados.

• Maturidade móvel e paridade de gênero: Embora quase todos os membros da família dependam de dispositivos móveis, a forma como eles usam esses dispositivos difere muito de acordo com o gênero.

A pesquisa mostrou que globalmente, aos 15 anos, o uso de dispositivos móveis aumenta significativamente e permanece consistente na idade adulta.

As meninas relataram uma adoção mais precoce do uso de dispositivos móveis em muitos países estudados, principalmente na América do Norte e na Europa. Nessas regiões, significativamente mais meninas de 10 a 14 anos estão usando dispositivos móveis do que meninos da mesma idade.

O uso de mídias sociais nos EUA mostrou diferenças significativas por gênero e as meninas relataram adotar quase todas as atividades móveis em uma taxa maior do que os meninos:

Globalmente, 53% das meninas em todas as faixas etárias usam redes sociais em comparação com 44% dos meninos.

Nos EUA, 65% das meninas de 10 a 14 anos transmitem música em comparação com 51% dos meninos.

Nos EUA, 30% das meninas fazem compras online em comparação com 24% das de meninos.

Isso é verdade até mesmo para a arena de jogos nos EUA, em que 57% das meninas de 10 a 14 anos relatam jogos em dispositivos móveis, em comparação com 52% dos meninos da mesma idade.

Relatório da McAfee sobre ameaças móveis ao consumidor de 2022:

O Consumer Mobile Threat Report da McAfee concentra-se em algumas das técnicas mais recentes que os cibercriminosos estão usando para enganar ou fraudar os consumidores em números crescentes, conforme identificado pela equipe de pesquisa móvel da McAfee.

As principais descobertas das ameaças mais recentes detalhadas no relatório incluem:

Smishing para malware: Os ataques de smishing móvel (SMS + phishing) estão usando saudações personalizadas em mensagens de texto que fingem ser de organizações legítimas para parecerem mais confiáveis. Essas mensagens geralmente são vinculadas a sites com logotipos, ícones e outros gráficos autênticos, solicitando que o usuário insira informações pessoais ou baixe um aplicativo. Depois de baixados, esses aplicativos roubam informações pessoais, contatos e mensagens SMS dos dispositivos dos consumidores. Os contatos roubados são usados ​​para alimentar campanhas cibercriminosas, expandindo sua rede de alvos.

Os jogadores jogam: códigos de trapaça e aplicativos de hackers são formas populares de obter recursos extras em jogos para dispositivos móveis. Os criminosos estão explorando isso adicionando código malicioso a aplicativos de código aberto existentes e promovendo-os em canais de mensagens legítimos. Se instalado, o malware rouba credenciais de contas de redes sociais e contas de jogos.

Mineração por nada: o mercado de criptomoedas é particularmente propício para ataques a dispositivos móveis, com cibercriminosos implantando aplicativos falsos que prometem minerar moedas na nuvem por uma taxa mensal, prometendo pagamentos monetários ao assinante. O problema é que eles pegam o dinheiro do usuário, mas na verdade não fazem nenhuma mineração ou aumentam o valor da carteira do assinante.

Fake it to Make It: os cibercriminosos estão usando informações pessoais e gráficos de alta qualidade para fazer com que seus malwares pareçam aplicativos legítimos. Centenas desses aplicativos prometem recursos como jogos para celular ou edição de fotos e são suportados por avaliações falsas de cinco estrelas. Quando instalados, os aplicativos simplesmente solicitam o número de telefone do usuário e o PIN de verificação e os usam para se inscrever em serviços de texto premium que direcionam pagamentos aos criminosos.

O que os consumidores podem fazer para se proteger?

Ter um olhar crítico e um grau de ceticismo são ferramentas essenciais para proteger você, sua família e sua crescente coleção de dispositivos digitais.

Os jogadores devem ter cuidado ao instalar hacks de jogos, especialmente se solicitarem permissões de superusuário. Essas permissões dão aos cibercriminosos a capacidade de controlar os dispositivos.

As defesas de segurança móvel estão evoluindo e se adaptando a esses tipos de ameaças, adicionando ou aprimorando recursos importantes, como alertas de phishing e fraude, proteção de identidade e notificação ativa se informações pessoais forem encontradas na dark web.

Os relatórios demonstram a posição da McAfee como líder em proteção online e sustentam a nova estratégia de negócios de consumo puro da empresa para focar exclusivamente em soluções de consumo que oferecem o futuro da proteção online, hoje.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias