Quinta, 21 de Janeiro de 2021
64 99945-1332
Brasil Agro

Vistoria de terras será terceirizada pelo Incra

O objetivo do MAPA é dar mais agilidade no processo de vistorias

15/12/2020 08h55
171
Por: Gideone Rosa Fonte: CNA/Mapa
Terras produtivas: regularização fundiária garante maior segurança aos investimentos no campo, afirma a diretora da SNA, Maria Cecília de Almeida. Foto: PxHere
Terras produtivas: regularização fundiária garante maior segurança aos investimentos no campo, afirma a diretora da SNA, Maria Cecília de Almeida. Foto: PxHere

Para acelerar a regularização de terras no País, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) anunciou que vai terceirizar o processo de vistorias locais de imóveis e checagem de dados. A partir de acordos firmados com o órgão, os municípios poderão indicar técnicos para a realização dos trabalhos.

Neste caso, o Incra irá promover a capacitação online dos funcionários escolhidos, que posteriormente serão credenciados como representantes do órgão, que é vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Após a habilitação, os trabalhadores – sejam eles servidores ou contratados pela prefeitura – estarão autorizados a realizar vistorias e checar informações. Todos os dados serão enviados à central do Incra, em Brasília.  O imóvel rural receberá sua escritura após confirmação da regularidade da terra.

O programa “Titula Brasil” teve a sua portaria publicada na última semana no Diário Oficial da União. A proposta prevê a criação do Núcleo Municipal de Regularização Fundiária (NMRF), que vai integrar terceirizados contratados aos servidores do Incra, em Brasília e regionais.

Nos próximos dias, deve ser publicado o chamamento público aos municípios interessados. Em até 60 dias, serão divulgados o “Regulamento Operacional e o Manual de Planejamento e Fiscalização” do programa.

Praticidade

“Com esse programa, um técnico do Incra de Manaus, por exemplo, não vai mais precisar fazer uma viagem de mais de 2.000 quilômetros para chegar no município de Boca do Acre, porque terá um funcionário credenciado do Incra por lá”, disse o secretário especial de Assuntos Fundiários do Mapa, Luiz Antonio Nabhan Garcia.

“Toda medida visando à regularização fundiária é bem-vinda”, afirmou Maria Cecília de Almeida, diretora da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) e ex-procuradora do Incra.

Brecha

Porém, a transferência das atividades que envolvem a regularização fundiária para a administração local, observou Maria Cecília, “poderá abrir uma brecha muito grande para interesses locais que não se coadunam com o interesse nacional da regularização do país. Mas cabe aos órgãos responsáveis e a sociedade impedir atos de irregularidades”, disse Maria Cecília.

Ela lembrou ainda que “a centralização dessas atividades foram avocadas pela administração central justamente para distanciar essa questão das investidas locais, eventualmente perniciosas”.

Já o diretor da Confederação Nacional das Associações dos Servidores do Incra (CNASI), Reginaldo de Aguiar, teme que a decisão favoreça a “regularização” da grilagem de terras do Brasil. “Isso vai impedir novos projetos de assentamento da reforma agrária, novas regularizações de territórios quilombolas, novas áreas indígenas e novas áreas de preservação ambiental”.

Para que a regularização se torne viável, afirmou a diretora da SNA, é preciso observar as peculiaridades de cada região. “É um processo que implica na certeza da titularidade sobre o imóvel rural, a que título for, com o propósito de garantir maior segurança aos investimentos para uma atividade agrária cada vez mais competitiva”.

Reestruturação

Se por um lado os especialistas do setor apontam para a urgência na solução de problemas fundiários, eles também acreditam que a recente decisão do Incra envolve a necessidade de uma reestruturação da autarquia, que completou 50 anos em julho.

“O Incra sempre sofreu altos e baixos, ao sabor dos interesses legítimos ou não sobre todas as suas atividades conforme atribuídas em lei.  Seria mais lógico reestruturar esse órgão público destinado constitucionalmente à política fundiária no País. Voltar a dar ao instituto a atribuição que lhe é conferida, de maneira coesa, única”, enfatizou a diretora da SNA.

“Sabemos das limitações de infraestrutura, de pessoal e de orçamento que o Incra vive. Por outro lado, o governo e as prefeituras têm todo o interesse em resolver as situações fundiárias”, afirmou o secretário do Mapa.

Este ano, o órgão teve 66,60% do valor que recebeu em 2000, e o repasse foi reduzido de R$ 1.09 bilhão para R$ 725.6 milhões, sem considerar a correção inflacionária do período, informou Aguiar. Se essa correção for considerada, disse ele, “os recursos para 2020 chegariam a R$ 3.6 bilhões, cinco vezes o orçamento deste ano”.

Matéria enviada pela CNA para publicação tendo como fonte Estadão, via JN e Goiás Press

Link origem

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Agro Press
Sobre Agro Press
Essa é a coluna do que move o nosso país
Goiânia - GO
Atualizado às 22h00 - Fonte: Climatempo
25°
Alguma nebulosidade

Mín. 20° Máx. 33°

25° Sensação
10.4 km/h Vento
69% Umidade do ar
90% (8mm) Chance de chuva
Amanhã (22/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 19° Máx. 33°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Sábado (23/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 33°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias